Newsletter

Falo e escrevo muito, raramente tenho certezas e engano-me com frequência.

Numa casa onde só cheguei há 30 dias e com tanto para conhecer, poderia escrever este editorial com medo de falhar.

Para mim, para o Gabinete de Comunicação e para os muitos que iniciaram o ano letivo, este é um período de descoberta onde tentamos traçar um percurso – que apesar de incerto, podemos e devemos sonhar.

Por isso, falo do pouco que tenho como seguro:

Somos sempre mais felizes dando do que tirando amor.

Somos sempre mais felizes a descobrir do que a tapar a vista.

Somos sempre mais felizes a partilhar do que a reter.

Não há forma mais certa de aprender do que apaixonados. Aquilo que nos é estranho, tem o potencial de ser descoberto. E aquilo que descobrimos, que mapeamos e descodificamos, nunca mais esquecemos. Assim se abre a porta ao conhecimento – algo que se constrói em muitas frentes, com muitas mãos. Aqui, somos precisos todos nós.

Assim, e juntando-me a este todo, desejo-vos um bom novembro, muitos sonhos e boas descobertas!

Margarida Castro Caldas
Coordenadora do Gabinete de Comunicação

Anthropologue de l’esprit

Era para ter sido enfermeira, médica ou professora. Foi sendo várias coisas. Entretanto, “a coisa estabilizou e a dada altura tinha uma área de interesse específica da qual nunca me afastei: arqueologia. O que hoje faço é arqueologia na mesma, só que da mente”.


Continuar a ler

É assim que Maria Emília Marques descreve o seu trabalho, com uma carreira que já conta mais de quatro décadas. O seu encontro com a Psicologia surgiu “no verão quente de 1975. Tinha lido um livro intitulado Verdades e Mentiras da Psicologia, ou algo do género, sem saber o que aquilo era e achei muito estimulante. Na altura, quando deixávamos o liceu havia a cultura de sermos nós a tratar de tudo, não os pais. Indo para a faculdade, era a nossa maturidade. Saí de casa, ia para a Faculdade de Letras de Lisboa (FLUL); o autocarro parou no Marquês de Pombal, desci e não apanhei o próximo para a Cidade Universitária. Fui à procura de um endereço que tinha visto nas Páginas Amarelas: Instituto Português de Psicologia, na Rua Braancamp”. Quando lá chegou, não encontrou nada e foi redirecionada para a Rua da Emenda, onde acaba por se matricular no Ispa.

Na altura, “o Ispa vivia uma situação jurídica confusa. Tinha sido criado pela Confederação Nacional dos Institutos Religiosos e a Federação Nacional dos Institutos Religiosos Femininos; com o 25 de abril, afastaram-se e ficámos em autogestão, com um conselho diretivo e pedagógico com participação de alunos. As decisões eram tomadas na Assembleia Geral, de braço no ar – era tudo muito participado”. As instalações ficaram pequenas para o elevado número de alunos que entraram em 1974 e 1975, pelo que o Instituto se mudou para um edifício do Ministério do Trabalho que ficava em frente. Como vizinhos, tinha uma sede do Partido Socialista, “que não sei se ainda lá está. O tal edifício que ocupámos não tinha acabamentos e era muito frio; conseguimos que o Ministério da Educação nos cedesse umas instalações na Feira Popular”.

No início de 1976, é criada a Faculdade de Psicologia; foi constituída uma comissão instaladora, na qual estavam integrados dois membros do Instituto. A ideia era integrar o Ispa nesse curso de Psicologia, o que levaria à sua subsequente extinção. Nunca chegou a acontecer. “A razão para tal continua um enigma”, conta Maria Emília Marques. Esta situação “levou a que houvesse uma suspensão letiva durante algum tempo”, resultando no prolongamento do primeiro ano letivo em seis meses. “Percebemos depois que não íamos entrar e recomeçamos aí a nossa vida e as nossas aulas, levando a que tenha terminado o curso em dezembro e não em junho, como é habitual. No entanto, a ideia da extinção do Ispa manteve-se. Durante três anos, não abriu inscrições; quando os alunos que entraram em 1975 tivessem concluído o seu curso, fecharia. Houve uma forte contestação desta decisão, uma substituição da Direção e o Instituto reinicia a sua atividade regular em 1979, com a reabertura do 1.º ano. Participei nesse movimento como membro da direção da Associação de Estudantes e como representante dos estudantes na Direção”, conclui.

Durante o curso, Maria Emília Marques revela ter vivido “um clima muito rico em termos de debate, o que me levou a desenvolver um sentido crítico muito grande”. Havia espaço para coisas mais tradicionais e mais modernas, mais sociais e mais abstratas. “Podemos, por vezes, ouvir as coisas e arrumá-las algures, mas como vivíamos em ambiente de diálogo, debatíamos e tentávamos encontrar soluções, respostas. Desde cedo eu, como muita gente da altura, percebi que era clínica que queria fazer”. O programa curricular que teve enquanto estudante era marcado por ideologias: “em vez de aprender testes psicológicos de avaliação, discutíamos a sua função social, como os testes eram discriminatórios”; ao mesmo tempo, em 1975/76, “havia já coisas muito americanas: aprendizagens sobre programas, sobre como tratar, curar, de forma mais mecânica. Estes contrastes foram, para mim, bastante estimulantes”. Em 1980, depois de concluir os cinco anos de formação, Maria Emília Marques rumou a Paris durante dois anos, à Université Paris V René Descartes. “Muitos foram os que o fizeram, das áreas de Clínica, Educacional e Social e das Organizações – voltámos como docentes para o novo Ispa”.

Na Cidade Luz “desenvolvo um grande interesse nas provas projetivas. Havia um interesse que se tinha instalado numa formação constituída nos timings certos e que era altamente fascinante: a leitura que se faz das provas projetivas é a mesma que se faz da clínica no geral”.

Esteve envolvida no primeiro mestrado que abriu no Ispa, em 1989, “de Psicopatologia e Psicologia Clínica, em parceria com a Paris X Nanterre”. Aí, já as questões da psicanálise se haviam imposto e, depois da formação que teve, Maria Emília Marques confessa que “era incontornável e sabia que ia aprofundar essa via. Fiz a minha análise pessoal durante 13 anos e a minha formação na Sociedade Portuguesa de Psicanálise, já depois de ter ido um terceiro ano para Paris, em 1985”.

Começou a sua atividade de docência na Psicopatologia da Criança, “nos testes, porque era aquilo que tinha sido a minha formação em Paris. Gradualmente, fui-me estabilizando mais nas técnicas projetivas e numa certa maneira de fazer a avaliação psicológica, digamos de uma forma mais coerente, porque foi esse o processo e o produto da minha tese de doutoramento: conceber a prática clínica e a avaliação psicológica de forma integrada”. Apesar da área de avaliação ser dominantemente a sua, revela que a experiência mais interessante que teve a nível de ensino foi há cerca de 10 anos, quando “gostei particularmente de dar duas cadeiras que já estão extintas, Mitos e Psicanálise e Etnopsicanálise”.

Em 2009, quando dava o Seminário de Dissertação de Projeto de Doutoramento, “houve uma série de estudantes, que trabalhavam em escolas das periferias, que manifestaram interesse em poder falar daquilo que lá acontecia com populações migrantes, sobretudo miúdos dos PALOP, que têm a vida muito difícil”. Aí, recorda Maria Emília Marques, “fui repescar um interesse já antigo com que nunca tinha feito nada, o da etnopsicanálise. É justamente um domínio que se expandiu a partir de Freud, começando-se a desenvolver questões à volta da cultura e, sobretudo em anos mais recentes, a fazer muito trabalho com populações migrantes”.

Formou-se, pouco depois, “um grupo de reflexão que juntava também antropólogos e outros convidados que trabalhavam em territórios e domínios diversos. Vinham, por exemplo, colegas do Hospital Amadora-Sintra discutir casos connosco, com particularidades clínicas que sabiam que trabalhávamos. Mantivemos esta atividade regular até que em 2014 abre um concurso no Fundo para o Asilo, a Migração e a Integração (FAMI) e decidimos concorrer – aí, tivemos que criar um nome e nasceu o Centro de Etnopsicologia Clínica”. A sua missão passa por procurar dar “respostas clínicas com este pendor transcultural. Acho que posso mesmo dizer que somos os únicos no país que têm esta particularidade”.

Os settings não são os habituais, nem as consultas nem alguns dos modelos de intervenção, como “estivemos agora com os Médicos Sem Fronteiras, ou trabalhar indo a uma escola fazer mediação quando há bloqueios de um/a menino/a, que encontra dificuldades junto dos professores. Há situações valiosíssimas e exemplos fascinantes do ponto de vista do que se consegue fazer com o envolvimento de todas as partes: famílias, crianças e professores”. Este trabalho exige, normalmente, “o valioso contributo de antropólogos e mediadores culturais, pessoas que partilham ou são da mesma cultura e nos ilustram coisas que, não sendo iguais à nossa, podemos desvalorizar. Saber o que comem e como comem, a relação com as divindades, com a natureza. Coisas tão simples como estas são questões muito diferentes de local para local”. Este FAMI, como salienta Maria Emília Marques, “já é o terceiro. Sempre que concorremos, pela particularidade do nosso trabalho, temos sido subsidiados pelo Alto Comissariado para as Migrações. Este em que estamos agora é com refugiados requerentes de asilo e menores não acompanhados, portanto temos circulado com realidades atuais muito difíceis”.

Aqui, “mais uma vez surge a convergência dos interesses da clínica com os da psicanálise, e esta questão que sempre foi minha: a possibilidade de enriquecermos a nossa visão para a nossa prática com contributos bem refletidos. Não é fazer um potpourri. Os antropólogos dizem-nos coisas bastante interessantes. Uma das cadeiras que mais gostei no Ispa, no primeiro ano, foi Antropologia Cultural. O livro que acho que mais me marcou, não sendo de cabeceira porque não os tenho, chama-se La Violence et le Sacré, de Rene Girard, sobre a formalização da violência. Sempre tive estes gostos por coisas de cariz mais sociais e antropológicos”.

Hoje em dia, Maria Emília Marques confessa que “uma coisa que me tem trazido muita perplexidade é utilizar Rorschach com populações migrantes, obviamente com um tradutor. Aquilo que tenho apanhado é qualquer coisa de extraordinário. Espero, brevemente, mostrar um bocadinho do que a clínica projetiva pode clarificar sobre fenómenos que, normalmente, não são lidos numa lógica de avaliação stricto sensu – mas que, se tomados como narrativas, podem ser compreendidos”. Elaborando com um exemplo, refere que, “com muita frequência, nestas populações em grande sofrimento leio um Rorschach com duas aceções. Uma, a habitual, é uma técnica, um método, vou atrás daquilo que é o comum; depois, vou ler outra vez para ver o que é que contam a mais – e todos contam uma história”. Especifica o que quer dizer com o caso de um menor vindo do Afeganistão, “que dá as respostas habituais, mas depois conta a sua história, eles que habitualmente não querem contar. É difícil; são histórias tremendas e temem voltar às memórias, portanto tem que se lhes dar tempo até ganharem confiança para contar o que têm para contar”. No último dos 10 cartões “ele dá a solução. Vem indicando o sofrimento, o mal-estar, os agrados e desagrados, e no fim faz uma combinação genial que é como tudo no fim se compõe. Se se conseguir ligar o passado com o presente e projetar o futuro, não há psicólogo que fale tão bem. A maior parte dos psicólogos não falam disso; falam do risco, do perigo. Portanto, esta é a minha forma de fazer clínica: ouvir as pessoas. Elas sabem sobre elas, desde que as deixemos falar como elas conseguem falar”.

Perguntamos o que acha do estado atual da Psicologia. Maria Emília Marques não hesita: “hoje em dia há tendência para uma prática centrada em diagnósticos muito precisos, há poucas categorias: nos adultos toda a gente falta de ansiedade, ataques de pânico, insónias e depressão, nas crianças não se tanto nestes termos, mas de défices de atenção e dislexia outra vez, que no meu tempo já tinha acabado e que voltaram agora”. Em suma, acredita que os sintomas não esclarecem ou não contêm o que se passa com a pessoa. “Quando alguém nos diz que está deprimido, eu tenho que saber o que é que isto quer dizer. Não posso aceitar um enunciado; é o quê? Porquê? Para quê? Isto porque as pessoas também precisam de saber, temos de passar para além deste nome, que acaba por ser muitas vezes uma ocultação, um encobrimento. Se as pessoas têm uma queixa, devem queixar-se, mas eu preciso de saber do que se queixam”.

No caso específico da depressão, esclarece que “as pessoas chamam depressão a coisas muito diferentes. Há a que é feita de um grande abatimento, de uma incapacidade em se mover, com sofrimento. Agora, se está com uma situação instável de trabalho, as relações não funcionam… isto não é uma depressão, pode ser, por exemplo, frustração. Há uma diferença entre as pessoas se sentirem frustradas e insatisfeitas, sem saber para onde vão, e este abatimento. Quando vejo uma depressão a sério eu não confundo, descrevem-me estados que não consigo imaginar: é um afundamento até com tradução corporal muito evidente. Por isso é que digo que debaixo destes nomes está recoberta uma grande diversidade. O meu trabalho como clínica é saber isto, mas sobretudo ajudar as pessoas a identificar onde é que lhes dói e o que fazer com isto. O nome simplifica e facilita muito, muitas vezes a medicação. Coincidentemente estas categorias estão colocadas numa relação direta com os fármacos: antidepressivos para a depressão, ansiolíticos para a ansiedade, insónias as coisas para dormir, estabilizadores de humor para os bipolares. Acho que a Psicologia fez um grande trabalho para se distinguir da Psiquiatria, criou distanciamento e modelos próprios, formas de olhar distintas, só para voltar a assumir estes termos e a estar enfeudados no discurso médico e sintomático”.

Para ilustrar a diferença do trabalho da Psicologia, Maria Emília Marques argumenta que o trabalho do seu grupo (CEC/Ispa) com os Médicos Sem Fronteiras “foi muito bem recebido nos bairros porque saímos daqui, no sentido em que pudemos pensar com as pessoas o que é que as aflige, o que é que as preocupa. Foi essa a proposta e houve uma excelente adesão com este nosso olhar, em populações desfavorecidas e culturas bastante distintas, de ciganos a guineenses, mas tivemos que sair desta conversa da ansiedade e depressão e perguntar: ‘fale-me de si’”. É tudo uma questão de “tratar as pessoas como uma categoria. Antes fazia uma vida muito tranquila no consultório, hoje em dia já cheguei a dar consultas em vão de escada e até fiz reuniões no parque de campismo de Lisboa. Saí da minha zona de conforto e é muito enriquecedor. Há muitas dimensões que aprisionam as pessoas, como as questões do SEF, autorização de residência, situações muito precárias economicamente com distanciamentos familiares penosos, são situações muito diferentes daquilo que é a minha clínica privada”. Confessa também que, apesar de se preparar a priori para estes relatos, “já me aconteceu estar em situações que sinto que a parede está à minha frente, a vir contra mim; as pessoas estão de tal maneira aflitas com a vida delas que acho que eu própria acabo por sentir este fechamento que sentem. Há situações muito diferentes e para as quais é necessária uma ajuda consertada em termos das repostas possíveis; por isso é que cada vez mais encontro vantagens num trabalho transdisciplinar – como psicóloga, não me posso propor a fazer coisas que não sei fazer, que caem no campo das assistentes sociais, por exemplo”.

Falando no que não sabe fazer, “há uma fórmula que uso: só paro de procurar porque tenho limites à minha capacidade de entender; não paro porque o outro é limitado ou porque se revelou inteiramente. Paro porque tenho limites, não sei fazer mais, não sei procurar mais. Imputo a mim mesma a limitação, no sentido em que é sobre isso que tenho que trabalhar”.

Nesta base, Maria Emília Marques afirma, no seu tom calmo característico, que “estou confortável com a minha própria identidade. É uma identidade que acho que ainda está em movimento, não é estável: ainda não cheguei ao fim nem estou estacionada. Continuo a aprender e isso reverte sempre para o meu trabalho; enquanto conseguir manter este espírito, trabalharei. Se perder a curiosidade, o desejo de saber, aí vou-me reformar – é melhor ir plantar flores, ou qualquer coisa. Aquilo que me move não é um lugar confortável ao qual cheguei; o que me move é um lugar sempre desconfortável porque ainda não sei, porque ainda não cheguei. O não saber é a semente do método. É porque eu não sei que estou nesta tentativa de procurar saber. Se me traz angústia? Não – angustiava-me era saber tudo.

O que é, para Maria Emília Marques, ser Ispiana?

“Como qualquer coisa na nossa vida, mesmo na relação connosco próprios, passamos por várias fases. Esta ideia de que pertencer a uma família, ou à instituição onde me formei e o único sítio onde tive atividade profissional é uma coisa estável uma vez atingido o patamar, não existe. Para mim, como acho que para a toda a gente, em qualquer condição da vida, ser qualquer coisa ou pertencer implica rearranjos sucessivos. Portanto, nesta altura posso dizer que tenho passado por diversas transformações afiliativas e identitárias. Mais que isto não consigo dizer!”

A escola durante e pós-Covid-19


Artigo de opinião por José Castro Silva

Para conter a propagação da pandemia por Covid-19, durante o primeiro semestre de 2020 muitos países encerraram as escolas. De acordo com dados da UNESCO, o confinamento afetou mais de 90% (1 bilião e meio) das crianças em idade escolar à escala global. O encerramento temporário das escolas esteve associado à descontinuidade do ensino presencial e à disrupção das aprendizagens. Esta medida contribuiu para a desigualdade entre crianças e impactou negativamente no tempo de aprendizagem, particularmente junto de alunos com baixo desempenho académico. Estima-se que o fechamento de escolas reduziu o tempo de aprendizagem dos alunos pela metade. Essa redução foi significativamente mais expressiva junto de alunos do género masculino com baixo desempenho académico, tendo o seu tempo de aprendizagem sido substituído por atividades recreativas, como ver TV e jogar no computador. Durante a interrupção das aulas presenciais induzida pela COVID-19 as escolas também não conseguiram compensar o diferencial de aprendizagem entre alunos de baixo e alto desempenho e, quer escolas e professores, realizaram remotamente menos atividades.

Do lado da profissão docente, a disrupção educacional causada pela pandemia fez emergir uma série de desafios, exigindo que os professores convocassem o seu agenciamento para responder a um contexto de ensino e aprendizagem que mudou drástica e rapidamente. A complexidade e a incerteza que os professores enfrentaram afetaram as suas identidades e as suas respostas às novas tarefas de desenvolvimento e aprendizagem profissional. A interrupção da atividade pedagógica presencial trouxe novas questões que frustraram a satisfação das necessidades dos professores de autonomia e competência, com destaque para a adaptação de materiais, a diferenciação de tarefas e feedback e avaliação da aprendizagem. Embora alguns professores possam ter-se sentido empoderados e resilientes, outros experimentaram apatia, esgotamento e depressão, acompanhados por um compromisso reduzido com os seus alunos. Assistiu-se a uma redução dos níveis de saúde mental e bem-estar dos educadores, em particular junto das lideranças escolares, determinada por um conjunto de desafios, designadamente sobrecarga de trabalho e desempenho de múltiplos papéis.

Na sequência da experiência de ensino remoto, muitos professores foram expostos aos benefícios do uso das tecnologias digitais no ensino e na aprendizagem, sendo que estas experiências reforçaram a sua confiança em usá-las. Como resultado, constata-se que os professores dos 2.º e 3.º ciclos estavam mais preparados para usar tecnologias de ensino à distância do que os professores do 1.º ciclo e que as atitudes e intenções dos professores para usar a tecnologia no processo de ensino-aprendizagem são fortemente influenciadas pela cultura organizacional. O quadro de referência das funções docentes convoca o domínio de três tipos de conhecimento. A par do domínio dos conteúdos e formação pedagógica, os docentes devem conhecer e saber usar as ferramentas tecnológicas que facilitam o ensino e a aprendizagem. A Covid-19 evocou a reflexão sobre os papéis das escolas e dos professores. À medida que as escolas foram, gradualmente, reabrindo, espera-se que todas as comunidades educativas possam ter refletido sobre as lições do confinamento e que tenham oportunidades para incorporar no quotidiano da sala de aula as novas competências adquiridas.

Dois amigos entram num bar e avaliam o seu consciente

Estudos sobre os malefícios do álcool existem em abundância – mas porque não estudar os efeitos positivos do vinho na consciência?


Saber mais »

Marian J. Bakermans-Kranenburg: o que temos em comum

“Interesso-me, basicamente, por algo que temos em comum: muitos de nós temos filhos, mas todos nós fomos crianças”.


Saber mais »

ARTIGOS PUBLICADOS

  • Thomsen, F., Mendes, S., Bertucci, F., Breitzke, M., Ciappi, E., Cresci, A. Debusschere, E., Ducatel, C., Folegot, F., Juretzek, C., Lam, F-P., O’Brien, J., dos Santos, Manuel E. (2021). Addressing underwater noise in Europe: Current state of knowledge and future priorities. Future Science Brief 7 of the European Marine Board, Ostend, Belgiumhttps://doi.org/10.5281/zenodo.5534224.
  • Lima, André R. A., Baltazar-Soares, Miguel, Garrido, S., Riveiro, I., Carrera, P., Piecho-Santos, A. M., Peck, M.A., Silva, Gonçalo. (2022). Forecasting shifts in habitat suitability across the distribution range of a temperate small pelagic fish under different scenarios of climate change. Science of the Total Environmenthttps://doi.org/10.1016/j.scitotenv.2021.150167
  • Simões, C., Santos, A.C., Lebre, P., Daniel, João R., Branquinho, C., Gaspar, T., Matos, M.G.D. (2021). Assessing the impact of the European resilience curriculum in preschool, early and late primary school children. School Psychology Internationalhttps://doi.org/10.1177/01430343211025075
  • Paolillo, A., Sinval, Jorge, Silva, S. A., & Scuderi, V. E. (2021). The relationship between inclusion climate and voice behaviors beyond social exchange obligation: The role of psychological needs satisfaction. Sustainability (Switzerland)https://doi.org/10.3390/su131810252
  • Rodrigues, Evelina D., & Fröhlich, M. (2021). Operationalizing intentionality in primate communication: Social and ecological considerations. International Journal of Primatologyhttps://doi.org/10.1007/s10764-021-00248-w
  • Beal, Martin et al. (Patrício, Ana R., Catry, Paulo). (2021). track2KBA: An R package for identifying important sites for biodiversity from tracking data. Methods in Ecology and Evolutionhttps://doi.org/10.1111/2041-210X.13713
  • Ramos, C., Cabral, E., Serrão, V., Figueira, Pedro, Santos, P. V., & Baptista, J. (2021). Journal of Child and Adolescent Trauma. https://doi.org/10.1007/s40653-021-00406-5
  • Junça-Silva, A., & Caetano, António. (2021). Validation of the Portuguese version of the langer mindfulness scale and its relations to quality of work life and work-related outcomes. TPM – Testing, Psychometrics, Methodology in Applied Psychologyhttps://doi.org/10.4473/TPM28.3.7
  • Alves Martins, Margarida, & Perret-Clermont, A. -N. (2021). William Peter Robinson: 1933–2021. European Journal of Psychology of Educationhttps://doi.org/10.1007/s10212-021-00578-6
  • Couarraze, S. et al. (Antunes, Samuel). (2021). The major worldwide stress of healthcare professionals during the first wave of the COVID-19 pandemic – the international COVISTRESS survey. PLoS ONEhttps://doi.org/10.1371/journal.pone.0257840
  • Nicolaou, C. et al. (Neto, David D.). (2021). Mental health status of healthcare workers during the COVID-19 outbreak: An international study. European Journal of Psychology Openhttps://doi.org/10.1024/2673-8627/a000010
  • Moreira, Inês, Figueiredo, I., Farias, I., Lagarto, N., Maia, C., Robalo, Joana, & Moura, T. (2021). Growth and maturity of the lesser-spotted dogfish Scyliorhinus canicula (Linnaeus, 1758) in the southern Portuguese continental coast. Journal of Fish Biologyhttps://doi.org/10.1111/jfb.14915
  • Cunha, O., Carvalho, F., de Castro Rodrigues, Andreia, Cruz, A. R., & Gonçalves, R. A. (2021). Attitudes of police recruits towards offenders: The impact of the police training on attitudinal change. Journal of Police and Criminal Psychologyhttps://doi.org/10.1007/s11896-021-09484-5
  • Santos, P. C., da Silva, W. R., Marôco, João, & Campos, J. A. D. B. (2021). Cross-cultural adaptation and psychometric assessment of the Portuguese language version of the Eating and Appraisal due to Emotions and Stress (EADES) questionnaire in Brazilian adults. Eating and Weight Disordershttps://doi.org/10.1007/s40519-021-01309-y
  • Santos, Ana F., Martins, Mariana C., Fernandes, Carla, Bost, K. K., & Veríssimo, Manuela. (2021). Relation between attachment and obesity in preschool years: A systematic review of the literature. Nutrientshttps://doi.org/10.3390/nu13103572
  • Larsen, S. C., et al. (Encantado, Jorge). (2021). Hair cortisol concentration, weight loss maintenance and body weight variability: A prospective study based on data from the European NoHoW trial. Frontiers in Endocrinologyhttps://doi.org/10.3389/fendo.2021.655197

Ciclos de Conferências – 2021/22

Novembro traz novos nomes ao Auditório Armando de Castro, com conferências que vos farão ousar saber.

11 novembro – Catarina Perpétuo (WJCR, Ispa – Instituto Universitário)

18 novembro – A confirmar

25 novembro – Marta Marques (Universidade de Lisboa)

Quintas-feiras, às 12h30. Vemo-nos lá!


Podem consultar o programa disponível aqui »

Sessão Solene de Abertura do Ano Letivo 2021/2022

Irá decorrer, no próximo dia 4 de novembro de 2021, pelas 10h00, no Auditório Armando de Castro do Ispa – Instituto Universitário, a Sessão Solene de Abertura do Ano Letivo 2021/2022.

Lotação do evento sujeita à capacidade da sala.


Saibam tudo aqui »

David Neto na Visão

Carla Sousa Santos na RTP

Lourdes Mata no Público

Gonçalo Silva na CMTV

Pedro Costa na Notícias Magazine

Ana Carvalheira na RTP2

Tendo como objetivo um contacto mais próximo e facilitado com os seus estudantes e candidatos, o Ispa criou a Unidade de Acolhimento e Suporte ao Estudante (Students Welcome & Support Unit).

Esta nova unidade gere os vários canais de atendimento a candidatos e estudantes. Pretende ainda, de forma articulada com as demais estruturas do Ispa, dinamizar atividades de acolhimento e integração académica, desenvolvendo e apoiando iniciativas que contribuam para um envolvimento efetivo da comunidade académica, bem como para a divulgação do Ispa junto da rede de ensino básico e secundário.

Podem contactar-nos através de:

candidaturas@ispa.pt  |  uase@ispa.pt

Linha Azul Candidaturas 808 10 17 17

Atendimento geral +351 218 811 700 (opção 1 e 2)

Segunda a sexta-feira 10:00 às 13:00 e 14:30 às 19:00

WhatsApp 910 873 413


Quer receber novidades do Ispa no seu email? Subscreva aqui a nossa Newsletter.



Quer receber novidades do Ispa no seu email? Subscreva aqui a nossa Newsletter.