“Cruzar Fronteiras – diálogo de coleções” – Ispa & Lusofonias

Carlos Barão – “Tapa-me”, 2017, Acrílico sobre Tela, 100x70cm

Carlos Barão

LISBOA
Estudou História de Arte, Design de Comunicação e Psicologia na Universidade de
Lisboa e no ISPA. Atualmente, dedica se integralmente às artes plásticas olhando a arte
como “o engano que está numa coisa e da verdade que está em todas.”4 A sua obra
reporta se ao momento de construção da imagem através da pintura onde os vários
elementos compositivos dialogam no decorrer do processo criativo. Expôs
individualmente desde 2001 em Portugal, onde se inicia na galeria Ofícios do Tempo
em Lisboa, ponto de partida para a apresentação do seu trabalho um pouco por todo
o país entre Lisboa, Leiria, Coimbra e Setúbal. Na Islândia, expõe no Centro Cultural de
Grindavik em 2002 e no Museu de Arte Contemporânea Reykjanes em 2004 e na Suécia
exibe a sua obra em 2013 na Galeria Miva, Malmo. No Ispa realizou uma exposição em
2017 de acrílicos s/ tela e no ano seguinte uma de obras sobre papel. Entre as coleções
em que se encontra representado salientam se o ISPA, a Fundação Champalimaud, o
Museu de Arte Contemporânea Keflavik e a Presidência da República da Islândia. Carlos
Barão foi também o vencedor do segundo Prémio de Pintura, em 2005 no“Dubai
International Art Symposium”.