O seu browser não suporta JavaScript! Medalha de Honra L’Oréal Portugal para as Mulheres na Ciência 2016 | ISPA – Instituto Universitário
PT

Newsletter ISPA

Medalha de Honra L’Oréal Portugal para as Mulheres na Ciência 2016

Medalha de Honra L’Oréal Portugal para as Mulheres na Ciência 2016
Ana Faria
 
Ana Faria, Investigadora do MARE, ISPA – Instituto Universitário distinguida pela sua investigação sobre o impacto da Acidificação dos Oceanos. 
 
Após doutorar-se na área de Ecologia Marinha, Ana Faria iniciou a sua investigação de pós-doutoramento no MARE, ISPA-Instituto Universitário, onde a par da investigação é também docente na Licenciatura em Biologia e no Mestrado de Biologia Marinha e Conservação.
 
Fomos conversar com a investigadora para saber mais acerca do projeto premiado.
 
Quais as consequências da acidificação das águas dos oceanos, provocada pelo aumento de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera, no equilíbrio dos ecossistemas marinhos e, em particular, na vida e sustentabilidade dos peixes do litoral português?
O aumento das emissões de CO2 na atmosfera está tornar mais ácida a água dos oceanos, com consequências para os ecossistemas marinhos e, nomeadamente, para a vida dos peixes, colocando em risco um dos maiores recursos marinhos do planeta. Importa, por isso, prever as consequências das alterações climáticas na dinâmica e equilíbrio destes ecossistemas, obtendo informação que será essencial para a gestão dos stocks pesqueiros e para o delineamento de medidas de conservação mais adequadas.
Estudos recentes, com espécies tropicais, revelam que a exposição a elevados níveis de CO2, durante a fase larvar dos peixes, provoca perturbações de comportamento e desenvolvimento, tornando-os, por exemplo, mais suscetíveis a ataques de predadores. Aumenta, assim, o risco de sobrevivência destes peixes na sua fase inicial de desenvolvimento, com impacto negativo na reposição e sustentabilidade destas espécies.
No entanto, neste projeto considero que a hipótese de adaptação dos peixes a um ambiente acidificado não deve ser descartada. Em conjunto com aequipa que integro, iremos avaliar de que forma a exposição de peixes adultos, de espécies típicas do litoral português, a condições de acidificação poderá conferir alguma vantagem no desenvolvimento e comportamento da sua descendência. Queremos, por exemplo, perceber se as larvas provenientes de peixes adultos que foram expostos a ambientes acidificados não diferem, no tamanho e comportamento, das larvas provenientes de peixes desenvolvidos em meio não acidificado.